eu@gov

Intervenções

Primeiro-Ministro pede tranquilidade e paz no país

dsp regulosBissau (11 Ago) – O primeiro-ministro guineense, Domingos Simões Pereira, pediu esta segunda-feira tranquilidade e paz no país para que o Governo possa promover um verdadeiro desenvolvimento.

Num encontro com os chefes tradicionais, Domingos Simões Pereira disse não ter nenhum problema com o chefe de Estado ou com qualquer outro detentor de órgão de soberania do país, pelo que, da sua parte, diz não perceber o que se passa.

“Sinceramente, não sei o que se passa. Eu não tenho nada com ninguém, mas estou disposto a dialogar para fazer o país sair do impasse em que se encontra”, afirmou Domingos Simões Pereira.

Expressando-se em crioulo, Simões Pereira disse estar disponível para ser julgado “pelo povo” que o elegeu, mas dentro de quatro anos, quando terminar a actual legislatura, pelo que, pretende continuar a trabalhar.

“Peço-vos que me dêem a paz e a tranquilidade e eu dou-vos o verdadeiro desenvolvimento”, defendeu Simões Pereira, sublinhando não ter tido “tempo e cabeça” para fazer mais nada nos últimos três meses que não seja “gerir problemas”.

Os chefes tradicionais pediram ao primeiro-ministro que tenha “coragem e piedade da população” que almeja por mais realizações do seu Governo.

Os chefes tradicionais não atribuíram razão ou culpa no diferendo que opõe o primeiro-ministro ao Presidente guineense, José Mário Vaz, mas a ambos pediram que haja “entendimento e tolerância” para que o país volte à calma.

Prometeram ainda levar a mesma preocupação ao líder do parlamento, Cipriano Cassamá, e ao chefe de Estado.

“O verdadeiro poder de representação do povo está nas nossas mãos, porque nós não somos eleitos, nem seremos exonerados, senão por obra de Deus, com a nossa morte”, observou José Saico Embaló, régulo de Gabú, no leste do país.

© ANG/Lusa