eu@gov

Praça dos Mártires de Pindjiguiti reabilitada

dsp inauguração da praça PindjiguitiBissau (4 Ago) - A Câmara Municipal de Bissau procedeu à entrega das obras de requalificação da Praça dos Mártires de Pindjiguiti, apesar de faltarem algumas etapas para a finalização dos trabalhos, devido ao período das chuvas.

A entrega da referida obra foi feita durante as celebrações do 56º aniversario do massacre de Pindjiguiti numa cerimonia presidida pelo Presidente da Assembleia Nacional Popular. Cipriano Cassama exortou os governantes guineenses a participarem activamente no combate à corrupção nas instituições públicas. O Presidente da Assembleia Nacional Popular disse que os dirigentes guineenses têm que ser humildes no exercício das suas funções tendo como um único patrão o povo da Guiné-Bissau.

Por sua vez, o convidado de honra da efeméride, o ex-Presidente de Cabo Verde, Pedro Pires, destacou que a comemoração do 3 de Agosto representa uma data histórica para os dois povos. “A atitude destes marinheiros foi um acto de resistência aos actos coloniais na Guiné-Bissau”, disse Pedro Pires. Exortou o povo guineense a romper com o medo, e a ganharem autoconfiança, dando atenção às próprias memórias, no combate quotidiano, para o desenvolvimento da Guiné-Bissau.

Segundo Pedro Pires, os guineenses não devem cruzar braços à espera da ajuda externa para resolver os seus problemas internos. Entretanto, disse estar confiante no desenvolvimento da Guiné-Bissau com a nova geração de políticos que esta a governar o país. “Esta é uma grande oportunidade para o povo da Guiné-Bissau. É uma oportunidade ter uma liderança jovem, formada, competente e comprometida com o povo guineense”, disse.

Para o Secretário-Geral da União Nacional de Trabalhadores da Guiné-Bissau (UNTG) já é hora de exercer uma boa governação, capaz de restituir a confiança necessária, que estimule os funcionários a trabalharem com abnegação, para o aumento da produção e produtividade no país. “O fosso de desigualdade entre os titulares de cargos públicos e o trabalhador gerador de rendimento ultrapassa os limites admissíveis para um país que ambiciona crescer”, considerou Estevão Gomes Có.

Para aquele sindicalista as aspirações dos mártires de Pindjiguiti, em 1959, ainda não foram alcançados, não obstante o país ter conseguido a sua independência total há 42 anos. Disse que as grandes reformas estruturais que a sociedade guineense reclama, devem ser empreendidas com coragem e sem vacilações. Afirmou que é preciso incrementar o mercado interno fortalecendo as pequenas e médias empresas.

© ANG